FALA COMIGO ANTES DA BOMBA CAIR
Compre_aqui
Comemore
Galeria
Comemore
Casar

instagram face2 youtube

FALA COMIGO ANTES DA BOMBA CAIR

Julho 13, 2015 0 Comentarios BLOG DICAS TEATRAIS por Gambiarra

A dramaturgia de Mário Bortolotto e Tennessee Williams se encontram sob  direção de Carla Candiotto

fala_1

Fala Comigo Antes da Bomba Cair é um projeto dos atores Natalia Gonsales e Flávio Tolezani que estreia dia 24 de junho no Viga Espaço Cênico

Contemplado pelo Prêmio Zé Renato de apoio à produção e desenvolvimento da atividade teatral para a cidade de São Paulo, Fala Comigo Antes da Bomba Cair busca o diálogo entre dois autores de países, épocas e expressões diferentes. Trata-se da encenação dos textos: Fala Comigo Como a Chuva e me Deixa Ouvir, que faz parte do conjunto de peças curtas em um ato do autor americano Tennessee Williams, e Vamos Sair da Chuva Quando a Bomba Cair, do paranaense Mário Bortolotto. Fala Comigo Antes da Bomba Cair estreia dia 24 de junho no Viga Espaço Cênico, para temporada até 30 de agosto – sempre às quartas e quintas, com direção de Carla Candiotto. No elenco, o casal de atores Flávio Tolezani e Natalia Gonsales.

Como idealizadores, os atores Flávio TolezaniNatalia Gonsales optaram por reunir em um mesmo espetáculo um texto escrito em 1950 por Tennessee Williams, um dos dramaturgos mais cultuados do teatro universal, responsável por grandes obras teatrais e cinematográficas, e outro escrito em 1988 por Mario Bortolotto, reconhecido representante contemporâneo de uma linguagem cáustica e direta. Ambos apresentam ao público um jovem casal. Fala Comigo Como A Chuva e me Deixe Ouvir aborda a situação inalterável de um casal que não se adapta às transformações sociais. Vamos Sair da Chuva Quando a Bomba Cair apresenta um casal que luta para vencer os desafios de uma sociedade contemporânea.

 fala_2

Sinopse

FALA COMIGO ANTES DA BOMBA CAIR conta a história de Angela (Natália Gonsales) e Hassim (Flávio Tolezani) que vivem no Rio de Janeiro. Angela é produtora cultural e Hassim um escritor boêmio. Entre Angela e Hassim, existe o amor e a esperança de viverem juntos. Mas, devido às diferenças, a convivência se torna conflituosa e desafiadora.

Enquanto Ângela traz à tona dilemas constantes como trabalho, filhos e responsabilidades, Hassim parece acomodado em suas escolhas, preenchendo a vida com poesias, compartilhadas pela companhia de seu gato.

FALA COMIGO COMO A CHUVA E ME DEIXE OUVIR aborda uma situação inalterável. Não há mais relação entre os personagens e nem perspectiva de convívio afetivo. A solidão vivida por cada um coloca em cheque as expectativas e o senso de identidade.

A união desses dois textos que abordam momentos diferentes vividos por um casal jovem surge com a necessidade de discutir o que é real e o que é ficcional. E o que é mais sombrio? A dura realidade? Ou aquela criada para satisfazer os sonhos individuais alimentados por uma sociedade contemporânea?

Quando outra pessoa é envolvida para satisfazer as expectativas e as ilusões individuais do outro, os laços amorosos tornam-se frágeis ostentando marcas de uma desagregação já consumada ou então em processo, e assim, aquela euforia de uma relação pode tornar-se sombria e sem esperança quanto às perspectivas de futuro.

Dois textos que podem alcançar dimensões excepcionais, onde o sombrio e o cômico se alternam no decorrer das ações dramáticas, onde reinam a poesia, os sonhos e os estigmas da classe média brasileira e norte americana, ambas sufocadas em angústia, medo e carência que se mostram atemporais. O fio condutor deste espetáculo passa pelas mãos do escritor, que costura os pontos de vista dos autores, conduzindo a uma realidade cruel e irônica”, contam os idealizadores.

 “Para mim, esse espetáculo traduz o amor nos tempos atuais, fala da incapacidade do ser humano de ver o que é real, e de querer recriar a realidade. Angela quer um amor para satisfazer seus desejos, acredita numa relação ideal e inventa ‘Hassim’ com o objetivo de encontrar a felicidade. Hassim, em escritor, um homem que sabe o que quer e, principalmente, o que não quer da vida, inventa Angela para seus propósitos reais e imaginários, e para satisfazer seu comodismo. Uma relação egoísta que nos conduz a uma realidade dura, melancólica, cruel e cheia de humor”, comenta a diretora Carla Candiotto.

A encenação

Os dois textos foram costurados pela diretora Carla Candiotto, pelos atores e pelo assistente de direção Bruno Guida. O ator Flávio Tolezani também assina o cenário, que se transforma, ao longo da peça, sugerindo diferentes ambientes frequentados pelos personagens. A trilha do compositor Marcelo Pellegrini, o figurino do Daniel Infantini e a luz de Aline Santini também ajudam a compor os diferentes universos vividos pelo casal.

Ficha técnica
Idealização: Natalia Gonsales e Flávio Tolezani

Dramaturgia: Do encontro de VAMOS SAIR DA CHUVA QUANDO A BOMBA CAIR, de Mario Bortolotto e FALA COMIGO COMO A CHUVA E ME DEIXA OUVIR, de Tennessee Williams (tradução Giselle Freire) 

Direção: Carla Candiotto
Assistente de Direção: Bruno Guida
Coreografia e Direção de Movimento: Adriana Telg
Coreografia Pole Dance: Carlos França
Elenco: Natalia Gonsales e Flávio Tolezani ou Daniel Volpi
Cenografia: Flávio Tolezani

Musica Original: Marcelo Pellegrini
Figurino: Daniel Infantini
Luz: Aline Santini
Adereços: Marcela Donato
Programação Visual: Murilo Thaveira 
Técnico de Som: Caio Nogueira
Técnico de Luz: Cleber Eli
Assessoria de Imprensa: Pombo Correio - Helô Cintra e Douglas Picchetti
Direção de Produção: Natalia Gonsales
Produção Executiva: Fernando Azevedo

Produção: Bem Casado Produções Artísticas
Realização: Prefeitura de São Paulo e Prêmio Zé Renato de Teatro

Serviço

Viga Espaço Cênico – R. Capote Valente, 1323 - Pinheiros,

Telefone: (11) 3801-1843

Temporada: de 24 de junho a 27 de agosto.

Quartas e quintas às 21h.            

70 minutos.

10 reais.

12 anos.